sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Automelodi


Automelodi está entre as coisas mais interessantes que conheci recentemente, banda canadense com material lançado a partir de 2009 e uma sonoridade meio minimal, meio new wave sem ser cafona. Bem que poderiam tocar aqui um dia, não?

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Best of do à;GRUMH... relançado


Para você que nunca ouviu falar, sim, se escreve desse jeito bizarro. Para quem conhece (e gosta) isso deve ser motivo de alegria. à;GRUMH... foi motivo de alegria na noite para muita gente desde algum lugar nos anos 80 quando surgiu até algumas noites ocasionais nos dias de hoje, principalmente quando tocam Ayatollah Jackson.

"We were à;GRUMH... and you were not!" é a reedição do best of "We are à;GRUMH... and you are not!", lançado originalmente em '88, com algumas faixas de diferença, agora, ao invés de 10, conta com 17, incluindo todas as que foram hit no Brasil. Só é uma pena terem tirado Another Brick In The Wall (Part II) - sim, cover do Pink Floyd - Generation também foi removida, mas as substituições compensam, entre as quais podemos citar Danger Zone, C.B.B. (14%) e Ayatollah Jackson.

Obs: esta edição é remasterizada e limitada a 1000 cópias.

Tracklist:
1. Danger Zone
2. C.B.B. (14%)
3. Drama In The Subway
4. Ha People
5. Penser Et Agir - Est-Ce Un Crime?
6. New Fashion (Edit)
7. Edito
8. Kill
9. Sucking Energy
10. Bucaresse
11. Chilly (Willy And His Aerodynamic Kit) / Bag (Thunderstorm Water Of Hopes)
12. In The Garden
13. Hamman
14. Yesterday
15. Ayatollah Jackson
16. Danger Zone (Live)

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Colenso Parade - Standing Up 7"


Esse compacto de 1984 foi um achado que comprei sob certa insistência, pois eu não botava muita fé de que seria coisa boa, mas na verdade é uma verdadeira jóia da era post-punk.

Colenso Parade era uma banda irlandesa que passou por diversas formações, tendo como únicos membros fixos durante sua curta existência - de 84 a 86 - Oscar Askin e Linda Clandinning. Entre as curiosidades mais marcantes que envolvem a banda, está o fato de Oscar ter sido recrutado para ser vocalista do Echo & The Bunnymen em 86 - convite que foi recusado pelo mesmo - e a participação de Terry Bickers, futuro guitarrista do House of Love, no único álbum da banda.

O som da banda pode ser definido como a fórmula típica do post-punk, guitarra rápida e baixo bastante pronunciado sobre melodias de teclado, os vocais remetem um pouco ao Joy Division, só que bem menos melancólicos. Pode se dizer que Colenso Parade era uma banda até bem "positiva" para a sonoridade sombria comum da época.

Esse foi o primeiro lançamento da banda, datado de 1984. A faixa título fez parte do único LP lançado por eles, já o lado B é exclusividade desse compacto
Para quem tiver interesse em saber mais a respeito, aqui tem uma biografia mais aprofundada e a discografia da banda.

Tracklist
A - Standing Up
B - Smoky Fingered Reminder

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Set List II

Podcast Cactusman II by mazokizt

Este é um set que foi elaborado e tocado lá pelo começo de 2010, nos tempos em que ainda tinha Via Underground no Espaço Tarsila. Foi logo depois do show do Klinik no Brasil e o objetivo era fazer uma seleção de bandas novas e músicas novas de bandas não necessariamente novas, tudo dentro do universo ebm, industrial, minimal wave.

Por causa das típicas limitações de gosto do público local, não foi possível fazer algo 100% com novidades, mas quem pode culpar as pessoas por nem sempre gostarem do que não conhecem? É algo compreensível e contornável. O resultado foi bom o bastante para valer a pena lembrar.

Desta vez usei o Virtual DJ, não garanto os melhores resultados na primeira tentativa, mas a seleção continua atendendo ao propósito.

Set list:

Bakterielle Infektion - Cities of glass
The Rorschach Garden - Life is a combat
Vomito Negro - Stay alive (remake)
The Weathermen - Surveillance Star (Dry F*** Mix)
Portion Control - Amnesia
Charles Kent - Schwarz
Signal Aout 42 - Vae victis
Nitzer Ebb - Down on your knees
Absolute Body Control - Did you do it? (remake)
Force Dimension - Lasergunn
DAF - Der Mussolini
Skinny Puppy - Deadlines

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Street Ducks - Duck And Cover 12"


Mais um caso de coisa boa que tenho aqui há tempos e até hoje não achei em mp3. Comprei esse 12" muitos anos atrás nos tempos em que alguns amigos de fora do país estavam se desfazendo de suas coleções por motivos diversos.

Street Ducks é uma daquelas bandas de new wave belga da mesma leva que o Neon Judgement. Street Ducks pode se diferenciar pelas guitarras mais pesadas e baixo de cordas bastante pronunciado. No Street Ducks a parte sintetizada fica principalmente por conta da bateria eletrônica. Sem dúvida agradará bastante aos que gostam de pós-punk.

A banda era chefiada por Glenn Frank, baixo, vocais e ritmos, que também chegou a fazer uma colaboração em um projeto paralelo de Dirk Da Davo, do Neon Judgement, chamado "If It Moves...". Ludo Camberlain, do A Blaze Colour e produtor de muitas bandas dessa época, inclusive o próprio Neon Judgement e Poésie Noire, para citar alguns, também participou das gravações do 12" aqui disponibilizado, nos ritmos e produção.

A1 - White City
A2 - Bible Punch
B1 - On The Beat
B2 - Hit

Música eletrônica como nos velhos tempos

Alguns meses antes do falecimento de Conrad Schnitzler - que se deu em 4 de agosto - foi lançado um LP de uma performance gravada ao vivo em 72. Como se poderia prever, já está esgotado, mas, para alegria geral, ele pode ser ouvido pelo player abaixo.

O mais interessante, é a situação paradoxal que temos com música eletrônica de quase 40 anos atrás, já que tem-se freqüentemente aquela imagem de modernidade relacionada à mesma. Raymond Scott que o diga com seus experimentos musicais no fim dos anos 50.

Acho provável que muitos tenham a sensação de que este material estava muito a frente de seu tempo mesmo assim, e que, pelo menos na minha opinião, ainda permanece atual e em perfeitas condições de rivalizar com produções atuais.

Conrad Schnitzler fez parte da primeira formação do Tangerine Dream e foi um dos formadores do Kluster. Além de ter uma vastíssima discografia individualmente.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Faust no Brasil em setembro


Inicialmente foi comunicado que seriam realizadas performances da banda no Rio, mas acredito que houve engano, pois nas mesmas datas divulgadas inicialmente, foi dito que as performances serão realizadas no CCSP, conforme esta notícia.

Quem avisa amigo é. Performances do Faust não são coisa que se perca!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Smersh - AIP 12"



Depois de tanto procurar (sim porque eu sempre tive a esperança de não ter que ripar eu mesmo), decidi fazer isso eu mesmo, e aqui está para download o AIP do Smersh completo, com todas as 4 faixas.

As duas faixas do lado A são da fase das guitarras distorcidas, a faixa título tem vocais gritados que lembram bandas dos anos 70 com um baixo bem pronunciado e guitarras distorcidas ao fundo e, claro, a bateria eletrônica de sempre. O lado B é marcado por duas faixas que são verdadeiras colagens de samples viajantes. Dad's Little Lion com aquele fundo estranho de música infantil sobre o qual são jogados outros sons e vocais gritados, e Salsa Dub com sua batida lenta e base com ar apocalíptico.

Para saber mais sobre a banda clique aqui ou aqui.

A1 - AIP
A2 - Infantile
B1 - Dad's Little Lion (Plasma Mix)
B2 - Salsa Dub

Download

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Best Of do Parade Ground será lançado dia 11 de julho


Banda belga formada pelos irmãos Jean-Marc e Pierre Pauly, conhecida por aqui principalmente pela música Strange World, que saiu na coletânea This is Electronic Body Music de 1988. Apesar de ter feito parte da coletânea e até hoje fazer parte de coletâneas e festivais do gênero, Parade Ground poderia muito bem ser classificado como synthpop, new wave, minimal wave, ou post punk dependendo da fase, tendo até mesmo variações de estilo dentro do álbum Cut Up, de 1988, o primeiro depois de uma série de singles ao longo dos anos 80.

O Best Of, que será lançado em vinil pelo selo americano Dark Entries, contém um apanhado de todo o trabalho da banda durante os anos 80, contendo inclusive faixas raras como "I Shut My Eyes", primeiro música do Parade Ground publicada - na coletânea Nationale Rockmeeting , de 1982 - e "Fall Incognito", gravada ao vivo em 1984 e lançada no mesmo ano como parte do LP Mask Promotion, do selo Mask Records, que era comandado por membros do Front 242. E claro que não poderia faltar o semi big hit Strange World. Ponto negativo apenas por não terem incluído a faixa The Net, parte do 12" Man In A Trance, de 84.

O mais irônico de tudo, é que, apesar das frequentes participações de membros do Front 242 e até mesmo Colin Newman, do Wire, Parade Ground nunca foi uma banda de grande reconhecimento por aqui. Algumas coisas dignas de nota nesse sentido, o 12" Dual Perspective, de 1987, teve seu lado A produzido por Daniel B. do Front 242 e o lado B produzido por Colin Newman do Wire, ambos também tocaram nas faixas que produziram, e os irmãos Jean-Marc e Pierre Pauly, do Parade Ground, participaram de algumas faixas dos álbuns 05:22:09:12 Off e 06:21:03:11 UP Evil do Front 242.

Desde 1988, o único álbum com material novo da banda foi o In My Rosary, de 2007. Mais experimental e barulhento, um pouco como o começo de carreira da banda.

 Gold  Rush, uma das melhores faixas mais eletrônicas da banda.

Strange World, a mais conhecida.

I Shut My Eyes, a estreia da banda.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Future Days do Can em vinil azul marmorizado.

Veio com defeito, mas ainda assim é linda essa edição em vinil azul do Future Days do Can. O vendedor ficou de me mandar outro em perfeito estado, estou pensando se penduro o defeituoso na parede ou sei lá o que.

Vídeo feito com cenas de filmes proibidos dos 
anos 20 e 30 para a faixa título deste LP.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

A volta de Robotiko Rejekto

Seguindo o fluxo das muitas voltas à atividade de bandas do século passado que fizeram fama nos meios industrial, ebm, new beat e cia ltda., Robotiko Rejekto - banda alemã conhecida por seus hits Rejekto e Umsturz Jetzt! - programa lançamento de um CD com material novo para o segundo semestre deste ano.

Como qualquer um que goste da carreira passada dessas bandas, eu também ficaria temeroso com o que pode sair dessa volta à ativa depois de 9 anos sem lançar absolutamente nada novo sob o nome Robotiko Rejekto. A banda hoje em dia consiste em Ralph Henrich, mais conhecido como Rahen, e colaboradores. Para alegria de muitos, está disponível no site oficial da banda a faixa Reload (0202), que também fará parte do novo CD. Caso as outras músicas sigam a tendência de Reload, podemos esperar uma boa combinação dos elementos que fizeram parte da época clássica da banda, como os vocais pesadamente processados e as batidas bem marcadas acrescidos de timbres mais atuais e vocais femininos.

Para quem não conhece as clássicas, várias delas podem ser ouvidas no myspace, e para alegria geral, foi relançado recentemente pelo selo Infacted Recordings uma reedição em CD do single clássico Umsturz Jetzt!, remasterizado e com muitas faixas bônus. Eu apostaria que futuramente surgirão relançamentos de mais clássicos da banda.

Rejekto (Presentation mix)

Umsturz Jetzt (Razormaid mix)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Documentário sobre o Ministry é exibido em Cannes

A notícia foi propagada pelo G1, que Al Jourgensen sempre foi junkie com muita seriedade nunca foi novidade para ninguém, mas ter tudo isso registrado em vídeo e sendo exibido pelo cinema, com estreia marcada para agosto nos EUA, é bastante surpreendente.

E pensar que ele ele era assim no começo de carreira...

domingo, 15 de maio de 2011

My new toy

My new toy by mazokizt
My new toy, a photo by mazokizt on Flickr.
Depois que a minha Sony quebrou e o conserto vai demorar uma eternidade, aproveitei para comprar e testar uma pick-up T.55 USB da Stanton. Até agora não tenho do que reclamar, o som é excelente!
O LP da foto é o A Way of Life do Suicide de 1988.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Set List I

Podcast Cactusman I by mazokizt

De 98 a 2010, eu atuei ocasionalmente como DJ em algumas festas alternativas pela noite, tanto de São Paulo quanto outros estados, e em algumas webradios nacionais e alemãs. Durante todo esse processo produzi alguns sets que até hoje julgo terem sido bons por conta da seleção musical. Então, achei que seria interessante compartilhá-los aqui.

O primeiro a ser publicado é de 2009 e foi tocado na finada Toy Lounge. Alguns amigos inesperados compareceram, o que fez a diferença maior para mim, e o público presente, que na ocasião não era grande, gostou do som. Como isso aconteceu em um momento bastante conturbado da minha vida, eu mal tive tempo e inspiração para preparar decentemente a seleção, tive que me virar com o que estava no case de CDs, restos de festas anteriores, mas o resultado – em minha opinião pelo menos – foi incrivelmente bom.

Como eu não tinha programas nem habilidade para fazer esse tipo de mixagem no computador até o presente momento, pedi para que um amigo fizesse, agradecimentos vão ao Antônio Nascimento pela edição.

A seleção foi:

  1. Poeme Electronique - V.O.I.C.E.
  2. Martial Canterel - Fallen Lords
  3. DAF - Der Mussolini
  4. Adult. - In My Nerves
  5. Killing Joke - New Culture
  6. For Against - Fate
  7. Severed Heads - 4WD
  8. Oppenheimer Analysis - The Devil's Dancers
  9. Minny Pops - Time
  10. Cabaret Voltaire - Nag Nag Nag
  11. El Aviador Dro - La Chica de Plexiglass
  12. Absolute Body Control - Did You Do It?
  13. Crash Course In Science - Cardboard Lamb
  14. Nitzer Ebb - Let Your Body Learn
  15. Signal Aout 42 - Dead Is Calling
  16. Force Dimension - Kill The Light
  17. Fad Gadget - Love Parasite
  18. Associates - Nude Spoons
  19. Throbbing Gristle - Hot On The Heels Of Love
  20. Data Bank A - The Citadel

terça-feira, 26 de abril de 2011

terça-feira, 12 de abril de 2011

Képeslap - Power and Darkness


Recebi ontem o segundo EP da colaboração entre Imi Vegh (ImiAFan) e o francês AratkiLo (Makina Girgir), que se chama Képeslap. O primeiro EP foi lançado em CDR e se chama Náhodný Generátor (Random Generator), a faixa título do anterior está incluída neste segundo, que foi lançado em vinil branco. Além dessa, o EP conta com quatro outras faixas que promovem uma boa mistura de elementos de minimal wave com EBM.

O EP inclui desde faixas mais agitadas e dançantes, como a faixa título, a outras mais introspectivas e melódicas, como Ice, todas com linhas de teclado muito bem trabalhadas. As poucas músicas com vocais mais evidentes são Ice, com melodias e letra que refletem bem o título e Power and Darkness, ambas com vocais esparsos, e Náhodný Generátor, cantada em eslovaco por Imi, com voz densamente processada.

Com os vídeos abaixo, de músicas de cada um dos integrantes, é possível perceber claramente que Képeslap é uma boa mistura do que ambos têm de positivo.

Képeslap - Power and Darkness

Makina Girgir - Plans for Today

ImiAFan - Epidémia

ImiAFan - Epidémia (Sneak-Thief Paranoianoia Mix)

quarta-feira, 30 de março de 2011

Mais relançamentos do Chrome

Essa seria uma notícia de pouca relevância, não fossem os “agrados” e a curiosidade extra. Desde 2007 tem havido uma onda de relançamentos da banda americana de São Francisco, no caso apenas os álbuns clássicos têm sido reeditados, começou com o selo Noiseville, depois Cleopatra – que lançou os títulos e vinil também. Agora o selo russo Lilith entrou também no jogo, responsáveis por relançamentos de nomes de peso como Faust e Cluster, tanto em vinil como CD, os russos, para ter vantagem em relação às outras edições, relançaram os títulos em vinis de 180g, com faixas bônus e, para chutar o balde, incluindo o mesmo álbum em CD. Ou seja, você compra o LP e leva o mesmo álbum em CD pelo preço de um só, extremamente vantajoso, especialmente para quem possa ter dúvida entre um formato e outro.

Eu vou ficar surpreso mesmo quando passarem a relançar os títulos menos “populares” da banda, como o primeiro álbum de 76, Visitation, e os álbuns posteriores à saída de Helios Creed, guitarrista original da banda. Vale notar que existe uma quantidade expressiva de material da banda que só foi lançado em vinil, ok, isso não é exatamente um problema, mas muitos deles são raros hoje em dia, atingindo preços bem altos no mercado negro.

O som do Chrome é primariamente classificado como industrial, mas é comum serem incluídos no space rock, psicodélico, experimental, etc. Para quem gosta de música caótica, com guitarras distorcidas, samples aos montes, quebras de ritmo e uma séria obsessão por sci-fi, é diversão garantida.


Meet You In The Subway - agora como bônus da edição russa do Half Machine Lip Moves.


New Age - faixa de abertura do álbum Red Exposure, de 80.


Chromosome Damage - Faixa de abertura do álbum Alien Soundtracks, de 77.


Danger Zone - bônus do álbum Red Exposure.

quinta-feira, 17 de março de 2011

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Motorik, o ritmo da modernidade na Alemanha

Hoje recebi por email esse artigo do site The Quietus, intitulado "From Neu! To Kraftwerk: Football, Motorik And The Pulse Of Modernity", é bastante interessante para quem algum dia se perguntou sobre os primórdios do Kraftwerk, ou para quem nem faz idéia do que seja tudo isso.

O artigo retrata bem o momento histórico do que motivou as origens do rock alemão e as reviravoltas que levaram Kraftwerk a dar origem ao Neu!, que deu origem ao ritmo "motorik", que foi adotado pelo Kraftwerk posteriormente, etc, etc.

Neu! - Hallogallo (Edit)

Kraftwerk - Ruckzuck (live 1970)

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

No New Beat 1.0 The Collection

Português (English Below)

New beat foi um estilo musical acidental, começou por volta de 87 na Bélgica quando um DJ embriagado tocou música de um 12” de 45 RPM em 33 – Flesh do A Split Second especificamente. O que era para ser um mero erro técnico acabou se tornando uma verdadeira mania, e logo, além de tocar várias músicas de 45 RPM em 33, também foram adicionadas diversas músicas de artistas variados pelo simples fato de terem BPM compatível . A parte mais curiosa é que essa seleção abrangia vários estilos, house, prog rock, industrial, minimal wave, ebm, etc.

E foi essa maluquice que precedeu as primeiras produções do gênero, muitas dessas bandas do período “pré” são até hoje frequentes em coletâneas do gênero, como Snowy Red, Fad Gadget e A Split Second.

O objetivo dessa coletânea é justamente fazer um apanhado das bandas mais inusitadas que eram tocadas naquela época, tanto com pitch reduzido quanto na velocidade original. Certamente que alguns questionarão a ausência dessa ou daquela música, mas para isso haverão outros volumes.

Agradecimentos especiais aos amigos belgas, sem os quais essa seleção não seria possível.

English

New Beat was a music style that was born by accident; it began back in 87 in Belgium, when some drunken DJ played a 45 RPM 12” in 33 by accident – Flesh by A Split Second specifically. What was meant to be just an ordinary mistake soon grew into a national mania and soon many other songs were played in that same BPM, a wide variety of artists from many styles were played in that way merely by fitting into the BPM. The most curious part of it was the variety of styles this selection contained, such as: house, prog rock, industrial, minimal wave, ebm, etc.

And it was the crazy period that preceded the first productions in the new beat style, many of these “pre” bands are still frequently seen in new beat compilations, e.g.: Snowy Red, Fad Gadget and A Split Second.

The goal of this sampler is to show a selection of the most unusual artists played in that era, whether with the slowed down pitch or in the actual speed. Certainly some will question the absence of this or that artist in the selection, but, don’t worry, for there will be other selections made later.

Special thanks to my belgian friends, without whom this selection would not be possible.

Tracklisting:

1. Carlos Perón - Nothing Is True (33 RPM New Beat Tempo) (4:25)
2. Severed Heads - The Ant Can See Legs (5:55)
3. Snowy Red - Euroshima (Wardance) (4:22)
4. Psyche - The Saint Became A Lush (Pitched) (6:59)
5. The Bridge - Industrial Lovedance (Sloth Mix) (8:37)
6. Smersh - Spook House (8:36)
7. Typis Belgis - Stop (I'll Show You) (2:53)
8. The Edge - One Foot In Heaven (5:12)
9. Fred Brown - Roman Days (7:07)
10. A Thunder Orchestra - Diabolical Gesture (4:06)
11. C Cat Trance - Shake Your Mind (5:38)
12. Executive Slacks - Our Lady (Yoof Dub) (3:26)
13. Alan Parsons Project - Mammagamma (3:38)
14. Dark Day - Nudes In The Forest (2:58)
15. Insekt - Brute Force (2:48)
16. Portion Control - Total Recall (2:03)

Download Link

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Compras vinílicas de 2010 até o presente


Uma foto que tirei dos vinis que comprei do começo de 2010 até o presente momento. A única exceção aí é o Europa do Pseudocode, um CD que vem em capa de 7".

Espero que o ano de 2011 me renda mais aquisições ainda, laçamentos e previsões não faltam, parece que vai sair até best of do Snowy Red.

Abaixo a lista dos títulos mostrados na foto:

  • Borghesia - Ljubav Je Hladnija Od Smrti LP
  • Dark Day - Window LP
  • Faust - So Far LP
  • Iron Curtain - Artifact LP
  • Martial Canterel - Occupy These Terms 7"
  • Martial Canterel - You Today 7"
  • The Misz - The EE EP
  • Nagamatzu - Sacred Islands Of The Mad LP
  • Neon Judgement - Early Tapes LP
  • Portion Control - Progress Report Box 7LP + 7" + DVD
  • Pseudocode - Europa CD
  • Somnambulist / M. Bryo - Split 7"
  • Störung - Europe Calls 7"
  • Störung - This Is Future LP + CD
Coletâneas
  • Connections - EP
  • Shadows In The Dark Pic. LP
  • Underground Belgian Wave Vol. 1 LP
  • Underground Belgian Wave Vol. 2 LP

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Série EBM Kult Klassiker

A gravadora Infacted Recordings começou em maio de 2009 uma série de reedições especiais de clássicos eletrônicos, todos remasterizados e recheados de faixas bônus. A série abrange bandas que foram anteriormente lançadas por gravadoras como, por exemplo, Zoth Ommog, New Zone, ZYX e Pias!. A primeira reedição foi Lack of Sense do Tribantura, incluindo todas as músicas lançadas pela banda. De lá para cá foram incluídos Shift, XMTP, Aircrash Bureau, Klangwerk, etc.

Para mim, a surpresa mais grata foi terem incluído Axodry nesse pacote, eu tenho minhas ressalvas quanto a essa banda fazer parte do contexto, mas tanto faz, o que importa é que é bom. Vai ser bem interessante se relançarem material do Robotiko Rejekto, Moskwa TV e bandas de gravadoras belgas nessa leva. Aliás, não sei como não saiu nada do Leæther Strip nessa série ainda.

Confira no link a lista dos relançamentos até o presente momento.


Tribantura - Lack Of Sense


Klangwerk - Klangwerk


Aircrash Bureau - Exhibition


Axodry - Feel It Right (Part I)

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Casco - Cybernetic Love

Hoje num dos emails da vuldanoid.fr veio anúncio da chegada de um reprint desse 12" clássico de italo disco de 1983. Casco era o DJ e produtor italiano Salvatore Cusato, que infelizmente se foi no dia 30 de janeiro deste ano. Abaixo um videoclipe de Cybernetic Love aceito como oficial pelo próprio Salvatore, apesar de o vídeo ser recente, o autor conseguiu captar muito bem a atmosfera da época em que a música foi lançada, aquele futurismo sci-fi que não existe mais hoje em dia.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Referências a Alfred Hitchcock na música

Nunca foi novidade que as diferentes formas de arte conversam entre si – isso já é sabido desde o neolítico. Porém, não perde a graça citar onde essas referências e influências aparecem, desde meros detalhes, como samples ou citações nas letras, a músicas inteiramente dedicadas ao assunto em questão.

No caso, fiz uma pequena seleção de músicas que encontrei que possuem referências ao diretor Alfred Hitchcock, conhecido como o mestre do suspense e que nos brindou com obras primas como Psicose, Vertigo e O Homem Que Sabia Demais.

A banda de new wave Landscape fez uma música e clipe dedicados ao filme Psicose tendo como título “Norman Bates”, nome do serial killer de dupla personalidade que serve de título para o filme. A letra é somente uma repetição de “My name is Norman Bates. I am just a normal guy.”. O clipe, reencenando o filme de forma cômica, é uma atração à parte.

Patrick Miller, conhecido pelo nome artístico Minimal Man, é autor da faixa Shower Sequence, com mais de 8 minutos de duração em homenagem à passagem mais célebre do filme Psicose. Uma das poucas partes com vocal da música é a repetição de uma das falas do monólogo em que Norman Bates é completamente tomado pela personalidade que coexiste em sua mente, a de sua própria mãe: “I wouldn’t hurt a fly.”.

A banda Sonic Youth fez referência a dois filmes de Alfred Hitchcock em Shadow Of A Doubt que é título de um de seus filmes clássicos – A Sombra De Uma Dúvida em português – e na letra da mesma há o trecho “met a stranger in a train”, provável referência ao filme Strangers In A Train – Pacto Sinistro em português.

Além dos três casos anteriormente citados, também há samples de filmes do Hitchcock em outras músicas. Insane da banda Kode IV, que apresenta parte da trilha sonora da cena do chuveiro, e as músicas "Smothered Hope", "Glass Houses", "Far Too Frail" and "Glass Out" do Skinny Puppy que contêm várias falas do filme A Sombra De Uma Dúvida de 1943. Esses são alguns exemplos, certamente que há muito mais por aí.

Agradecimentos especiais à Lidia do Kunst Ist Krieg pela ajuda com os vídeos de Shower Sequence e Insane.

Landscape - Norman Bates

Minimal Man - Shower Sequence

Sonic Youth - Shadow Of A Doubt

Kode IV - Insane

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Vomito Negro – Slave Nation


Saiu dia 21 o novo EP do Vomito Negro, Slave Nation. É inegável dizer que mantiveram a sonoridade crua e agressiva, porém com uma riqueza melódica cada vez maior. Mas não vai ter jeito, sem o Guy nos vocais fica a desejar, Gin Devo canta praticamente todas as músicas com a mesma voz, digo a mesma coisa que disse ao tentar ouvir o Skull & Bones por inteiro: se você ouvir apenas uma faixa, grandes chances de gostar, se ouvir o CD inteiro, grandes chances de se entediar. A faixa que mais se destacou para mim, à primeira ouvida, foi We Did It Again, com batidas rápidas e um som mais clean e minimalista, lembra vagamente City Of Lies do Plastic Noise Experience. No discogs você poderá ouvir previews de todas as faixas.

Agradecimentos ao meu amigo Valter por compartilhar o EP.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Asmodaeus

Voltando àquele assunto da coletânea Underground Belgian Wave, parece que curtiram a faixa Radiation Dance do Asmodaeus, para felicidade de alguns (minha inclusive) descobri que o próprio cara da banda - provavelmente era só ele mesmo - está no youtube e disponibilizou algumas músicas a mais. Pelo que li por lá, além das aparições em coletâneas, existe apenas um álbum em cassete dele, Lies And Logic. Nenhuma faixa que ganhasse de Radiation Dance até agora (na minha opinião), mas ainda assim são boas (na minha opinião também).

Para quem curte essas bandas belgas de "cassete culture" é prato cheio. Do jeito que andam ressuscitando mortos ultimamente, não me surpreenderia se mais coisas dele viessem à tona.

Minha favorita das que descobri recentemente.

A outra, também interessante.
Essa é de uma coletânea da Climax Productions, também com aquela cara de rock sintetizado.

A tal Radiation Dance para quem tiver sentido falta e/ou não conhecia ainda.

A segunda faixa deles que saiu na Underground Belgian Wave, também boa!